07 março, 2008

"Da ABCzinho à Mesinha de Cabeceira"


A Bedeteca de Beja está a promover uma exposição de revista de banda desenhada intitulada “Da ABCzinho à Mesinha de Cabeceira”, que passa em revista alguns dos mais importantes títulos da bd portuguesa. Aqui fica a comunicação:

“Ao longo dos seus cerca de 150 anos de História, a banda desenhada portuguesa viu aparecer e desaparecer dezenas de revistas. Algumas perderam-se para sempre nos corredores mais ou menos obscuros da memória. Outras acabaram por se assumir como marcos incontornáveis para compreender o percurso da banda desenhada no nosso país.

Esta exposição não esgota (nem de longe) os muitos títulos que permitem compreender a riqueza e diversidade desta arte em Portugal. Assinala apenas alguns dos nomes que ajudaram a construir este percurso: ABCzinho (1921-1932), O Senhor Doutor (1933-1943), O Mosquito (1936-1953), O Diabrete (1941-1951), Cavaleiro Andante (1952-1962), Jornal do Cuto (1971-1978), Mundo de Aventuras (1949-1987), Tintin (1968-1982), LX Comics (1990-1991), Mesinha de Cabeceira (desde 1992), ou Quadrado (desde 1993) (referimos unicamente algumas das publicações presentes na exposição).

Além do valor intrínseco que cada um dos exemplares em exposição manifesta, é ainda possível admirar as capas de artistas tão distintos como Cottinelli Telmo, Stuart de Carvalhais, Emilio Freixas, Burne Hogarth ou Hugo Pratt, entre muitos outros.

Com um carácter assumidamente pedagógico e didáctico no início, as revistas de banda desenhada foram-se transformando ao longo dos tempos, acentuando uma vertente lúdica muito forte, de acordo com o gosto e exigências do seu público-alvo: o público infanto-juvenil (e de acordo com as preocupações dos pedagogos e dos censores). Nas últimas décadas, embora o carácter lúdico da banda desenhada manifeste sempre preponderância, apercebemo-nos também da mudança gradual que foram sofrendo, não só na forma, mas no conteúdo.

A este respeito interessa referir a LX Comics, a Mesinha de Cabeceira, ou a Quadrado, publicações viradas exclusivamente para o público adulto onde predomina o carácter autoral e experimentalista dos seus artistas, deixando perceber alguns dos movimentos mais significativos dentro da arte contemporânea portuguesa (e não só) no que concerne à banda desenhada.”

Nota: Todas as revistas presentes nesta exposição são acompanhadas de um texto mais ou menos sumário onde se realçam algumas das características específicas da publicação em causa: cronologia, autores, curiosidades, etc.”

Esta exposição pode ser vista entre 29 de Fevereiro a 28 de Março, de 2ª a 6ª feira, das 9h00 às 20h00 na Casa da Cultura de Beja. Está feito o convite!

2 comentários:

Bongop disse...

Verbal
Falta aí uma revista, cujo director era o Vasco Granja, o Spirou, da qual eu colecionei todos os nºs !

verbal disse...

Boas, faltam as duas séries do Spirou que foram publicadas em Portugal. É provavel que constem da exposição apesar de não haver referencias no texto.

Este não é da minha autoria, eu apenas o publiquei tal e qual como o recebi.

PS Eu tenho a 1º série completa do Spirou e falta-me a segunda!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...