12 dezembro, 2012

A revista Disney em Portugal

Pato Donald 1, Ed. Morumbi, Maio de 1981
No outro dia falava aqui no blogue acerca da quase inexistência de revistas de banda desenhada para um público mais infantil "et voilà" surgem as revistas Disney literalmente em tudo o que é ponto de venda. Sem dúvida a "cereja no topo do bolo" num ano excelente para a edição de banda desenhada em Portugal.

Uma revista de banda desenhada com periodicidade semanal com uma tiragem de vários milhares de exemplares, é algo que já não assistíamos à largos anos por cá.

A verdade é que este regresso é o retomar de uma importante ligação, da banda desenhada da Disney com Portugal, que já remota à decada de 30, ainda que com os seus altos e baixos.

Começou com a publicação de tiras de jornais americanos das histórias do Mickey, no jornal infantil ilustrado Mickey, que durou 58 números, publicados entre Novembro de 1935 e Dezembro de 1936.

Seguiu-se em meados da decada de 50, mais concretamente a partir de Agosto de 1955, uma nova revista Mickey semanal, propriedade da saudosa Agência Portuguesa de Revistas, igualmente com histórias publicadas nos Estados Unidos, com um preço de capa de 2$50. Como curiosidade as capas e as histórias do Pato Donald foram desenhadas por Carl Barks e as do Rato Mickey por Paul Murry. Infelizmente problemas de vária ordem inviabilizaram a publicação que durou apenas quatro meses, até Dezembro de 1955, num total de 13 números.


Entretanto, a brasileira Editora Abril tinha entrado no mercado português com as revistas brasileiras Pato Donald e Mickey. E a partir daqui, seguiram-se mais títulos e as revistas brasileira Disney tornaram-se um objecto massivo de consumo entre os leitores portugueses, que justificou que em inicios da decada de 80, a Abril abrisse cá a Editora Morumbi, passando as revistas Disney de novo a serem editadas em português e em Portugal. O primeiro título da nova editora foi de novo Mickey lançado em Abril de 1980. Seguiram-se muitos outros títulos entre os quais o Pato Donald, os vários Almanaques, os Disney Especial, etc. A revista Mickey durou 190 números até Dezembro de 1991.


Com o passar dos anos, a editora Morumbi em Portugal foi sofrendo alterações, tendo numa primeira fase passado a designar-se Editora Abril Morumbi, e posteriormente com a entrada da Controljornal no sua estrutura accionista passou a Abril/Controljornal. Mais tarde, em 1999, juntou-se-lhe o grupo suiço Edipresse. Em 2003, a Abril saiu e nasceu a Edimpresa, tendo a Impresa e a Edipresse como acionistas. Em Maio de 2008 a Impresa assumiu a totalidade do capital da Edimpresa e manteve na sua posse os direitos de publicação da Disney que vigoram até 2010. Virada esta página, os direitos encontram-se agora na posse da Goody.

No entanto, as revistas da Disney começaram a partir de 2005 a desaparecer dos pontos de venda, o que não impediu que o surgimento esporádico de algumas publicações, como foi o caso da magnifica colecção Obras-Primas da BD Disney, publicada entre 2004 e 2006 que reunia histórias de Carl Banks num total de 9 volumes. Mas em 2006 acabou tudo.

E desde então um vazio de publicações. Assim, o primeiro número da Disney Comix foi neste sentido uma boa surpresa.  Eu agora aproveitei o balanco para reunir e ler alguns dos meus antigos “patinhas”. É verdade que a leitura agora é feita com outros olhos, e do confronto entre a escola brasileira (antigos "patinhas") e a escola italiana (novo "patinhas") saltem importante diferenças. Mas o importante é que para as novas gerações a revista Disney está de volta, e hoje sai para as bancas o segundo número da Disney Comix.

4 comentários:

Luis Sanches disse...

Olá Nuno Neves,

Estava a ler aqui o teu excelente texto e estava-me a lembrar como para mim ainda hoje me faz confusão quando vejo o Pato Donald a tratar o Patinhas por 'tu'. Eu cresci com os livros do Patinhas e dos super-herois em português brasileiro.
Eram todos 'você' :) Ainda me lembro também que na altura dizia-se, e haviam pais, que não deixavam os filhos ler Bd pois diziam que eles iam aprender mal a nossa lingua.
Estou completamente em desacordo com o infeliz novo acordo ortográfico, mas felizmente os meus pais não tinham medo que o meu português se 'convertesse' e deixavam-me ler tudo o que me chegasse às mãos. Ainda bem.

Esperemos que esta nova vaga Disney dure muito tempo pois acho que é importantissimo para que os miudos se 'viciem' na Bd. São os leitores do mercado que queremos ter daqui a 15 anos :)

Nuno Neves disse...

Viva Luís, completamente de acordo. Também acredito que o processo de criação de hábitos de leitura se inicia em criança e com a banda desenhada. E sobretudo agora nos tempos que correm onde as distracções são muitas e convidam a outras actividades, algumas delas porventura pouco estimulantes. E a BD da Disney tem a grande vantagem do preço. Penso que agora em Portugal começa a haver boa oferta de bd para todas as idades, resta esperar pela procura, mas também acredito que hoje em dia a divulgação faz-se mais e melhor, e consequentemente tudo o resto certamente virá por acréscimo. Abraço

Anónimo disse...

A revista em 1935 chamava-se Mickey e não Rato Mickey e, apesar de se dizer revista, em Portugal era um jornal que, a partir de certa altura, foi editado no Porto pelo Primeiro de Janeiro. Podem consultar na BPMP na cota SI-C-1. Adriano Silva

Nuno Neves disse...

Olá Adriano, Obrigado pela atenção e pelo esclarecimento. Vou corrigir. Abraço

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...