28 fevereiro, 2013

Lançamento: Corto Maltese

De forma discreta a ASA lá deu um sinal de vida em 2013. Encontrei hoje estes dois novos Corto's à venda. Com data de lançamento do corrente ano. Pertencem à série Corto Maltese a cores em edição cartonada que a ASA tem vindo a publicar de forma espaçada desde de 2010. Trata-se de uma interessante colecção (ainda que pessoalmente prefira ver esta série no registo clássico a preto e branco) que se apresenta numa boa qualidade de edição, mas que tem um forte senão... o seu preço manifestamente exagerado. Não admira assim algum desinteresse por parte dos leitores. Dos sete álbuns já publicados, com excepção do primeiro - Mu A Cidade Perdida - todos os restantes ainda preenchem as prateleiras da loja. As novidades deste inicio de ano são A Juventude e As Helvéticas.

A Juventude

Em 1981, o jornal francês Le Matin encomendou a Pratt uma banda desenhada, a ser publicada em episódios ao longo desse ano. Pratt começa por narrar os bastidores da guerra entre a Rússia e o Japão, na Manchúria de 1905. Desenha as trincheiras escavadas pelos soldados japoneses e o orgulho dos oficiais, a debandada das tropas russas e a loucura de uma situação na qual alguns continuam a massacrar-se apesar de a guerra ter acabado. Ele fez de Jack London, o escritor americano e correspondente de guerra, o artesão do encontro e da amizade entre Rasputine e Corto Maltese. E quando a história de Pratt termina antes do tempo, em consequência de um desentendimento com o editor, a história como que por magia não ficará inacabada, mas passa a ser uma outra história. "A Juventude" será um relato sobre a amizade e a honra, sobre a liberdade, a loucura e o rigor.







As Helvéticas

O percurso de Corto Maltese na Suíça parece ser apenas um sonho; na verdade, é uma autêntica viagem iniciática que Corto realiza com a aparente simplicidade divertida e descontraída de um Pratt que consegue pairar entre os mitos e as mensagens esotéricas. Existirá realmente uma fronteira entre a vida e a morte? Por quantas provas é preciso passar, quantos degraus é preciso subir, quantas portas é preciso abrir para ter o "dom de vida"? Parsifal, Klingsor, Kundry e Hermann Hesse cruzam o caminho que conduz Corto ao conhecimento do Graal, no qual poderá finalmente beber da nascente.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...