13 outubro, 2013

As primeiras notas sobre o 24º Amadora BD


Faltam praticamente duas semanas para o inicio do 24º Amadora BD. Este ano, e ao contrário do que vinha sendo habitual, não se realizará a tradicional conferência de imprensa de apresentação. Já se sabe que a comunicação nunca foi o forte da organização do festival. A falta tem sido compensada em parte com uma presença regular na internet, através do sitio oficial do festival, e nas redes sociais, nomeadamente no facebook. E é através destes canais de comunicação que tem sido divulgados, ainda que a conta-gotas, pormenores sobre o evento.

Olhando para o que já se sabe, verifica-se ao nível de exposições uma forte presença de autores nacionais. Ricardo Cabral, autor da imagem deste ano do festival, David Soares, Fernando Relvas e Filipe Melo, com o seu Dog Mendonça e Pizzaboy, estão em destaque. Esta aposta na «prata da casa» não é novidade. Quem tem acompanhado as últimas edições do Amadora BD, verifica que os autores portugueses tem sempre marcado uma grande presença. Outra exposição que chama igualmente atenção é a dedicada à celebração do 75º aniversário do Super-Homem. A exemplo do que aconteceu no ano passado com os «50 anos do Homem-Aranha», contará com trabalhos originais de vários autores. E se no ano passado Mike Deodato deu a cara pelo Aranha, na edição deste ano está confirmada a presença de Jon Bogdanove.

E no que respeita a autores estrangeiros, para além de Bogdanove, estão igualmente confirmadas as presenças do brasileiro André Diniz, autor de Morro da Favela (Polvo) e Duas Luas (Polvo), e dos argentinos Juan Cavia e Santiago Villa, autores de Dog Mendonça e Pizzaboy 1 e 2 (Tinta-da-China), que juntamente com o Filipe Melo vêem lançar o Dog Mendonça e Pizzaboy 3. Adicionalmente, e em primeira mão, posso revelar mais um nome, o do francês Yoann, como representante da banda desenhada franco-belga, e autor de Spirou.

E lançamentos? A grande novidade será sem dúvida Asterix e os Pictos (ASA) que conta com uma nova dupla de autores e que terá lançamento mundial na véspera do festival. Logo no primeiro fim-de-semana, a Kingpin faz sair o seu O Impaciente Inglês, de Mário Freitas, André Pereira e Bernardo Majer. A Polvo aproveita a presença de André Diniz e edita por cá o segundo livro do autor, Duas Luas. Para o último fim-de-semana, está previsto o Dog Mendonça e Pizzaboy - Requiem, o terceiro livro que marca o final da trilogia, e que contará com a presença dos autores Filipe Melo, Juan Cavia e Santiago Villa.

O 24º Amadora BD começa-se a compor. Aguarda-se nos próximos dias mais novidades. Fiquem sintonizados!

9 comentários:

Nuno Amado disse...

Para além de falta de respeito pelos visitantes e divulgadores deste evento, que não conhecem ainda hoje o programa, nem quero falar mais sobre essa maravilhosa e excelente divulgação a conta-gotas na página oficial, e página FB. Se achas que isto compensa o resto... bem, tu lá sabes...
Olha para mim não compensa nada.

Já agora, o argumentista do Duas Luas não se chama André Luiz, mas sim André Diniz. Também foi a organização que te forneceu esse nome? André Luiz?

Abraço

Optimus Prime disse...

O Jon Bogdanove a sério o "mestre" pré Rob Liefeld!!!Não vale e viagem até porque o unico trabalho de geito dele é X-MEN vS fatastic four hc/SC QUE NÃO SEI SE ESTÃO ESGOTADOS!? E não existe edição Portuguesa ainda,e a sua passagem pelos Supertitulos alem de ser a base de rabiscos e de estar edita pela Dc não tem nenhum titulo só dele e trabalhos como a Morte e Regresso só foram parcialmente desenhados por ele e nesses casos preferia o Jurgens ou Grummet.

Nuno Neves disse...

Viva Nuno, o nome de André Luiz não é info privilegiada dada pela organização, é gralha mesmo! :)

Quanto ao festival Amadora BD e divulgação do programa, começo devo dizer que dos vários festivais de BD que se realizam em Portugal, o único, repito o único, que envia antecipadamente – que eu receba – informação para os divulgadores, leia-se bloggers, é o festival de Beja. Mérito e aplauso para o Paulo Monteiro. Todos os outros quanto muito têm uma página na internet onde os divulgadores podem lá ir beber da informação e alguns simplesmente não divulgam em lado nenhum. Se a Amadora BD divulga ainda que a conta-gotas então não é dos piores. Claro está que isto não invalida que a organização do Amadora BD pudesse fazer melhor e divulgar com uma maior antecedência o programa na sua página ou qualquer outro local. Mas passados tantos anos, sei que o problema não é defeito, é feitio. Mas tal não me impede que faça aqui a divulgação do festival com o pouco que há, a exemplo que também faço com os outros festivais.

Dito isto devo dizer que considero a tua posição crítica e a de outros que tenho visto publicada manifestamente exagerada. A criticar esta desorganização do Amadora BD, por uma questão de coerência, deve-se criticar todas as demais organizações que alinham pela mesma bitola. Abraço

Nuno Neves disse...

Viva Optimus, confesso não ser grande fan do Super-Homem, e como tal Jon Bogdanove é um nome que me diz pouco. Logo se verá se a sua presença é ou não uma mais-valia no festival. Abraço

Nuno Amado disse...

Já agora, a minha posição e a da outros não tem sido exagerada.
Este ano a falta de informação é que foi exagerada face aos últimos anos em que já não era boa. Falaste que não era defeito, que era feitio, mas nunca se passou no passado o que se está a passar este ano.

Abraço

Nuno Amado disse...

Nuno Neves
Não estou a perceber. Tu já foste a várias conferências de imprensa comigo, onde era apresentado o programa e autores do Festival. Nesse dia era mandado um mail com toda a programação do festival, preços dos bilhetes, autores, Horários, programação paralela, etc... e tu estás a dizer que eles não nunca mandaram o programa antes???
Bolas... não te reconheço!!!

E eu sei que recebeste SEMPRE o programa completo deste festival. Assim como eu e os outros!!!

Não faz mal, eu devo ser o único ranhoso no meio disto tudo.

(Achei que tinha sido bruto de mais , portanto editei o meu comment antes deste último)

Pedro e Andreia disse...

Bogdanov! Ok, mais vale alguém do que ninguém. A última vez que foi editado um trabalho dele (mainstream) deve ter sido para aí há uns dez anos. Aliás, é referenciado como artista dos anos 90! Mas, tudo bem. Que seja bem-vindo a Portugal.

Nuno Neves disse...

Nuno, quando digo receber o programa refiro-me a receber com a devida e esperada antecedência. O Amadora BD sempre foi conhecido (e criticado) pelas suas divulgações "em cima da hora", leia-se as conferências de imprensa. Neste aspecto, este ano pouco se alterou, mesmo sem conferência de imprensa. Acredito que uma semana antes conheceremos o programa final... provisório.
E quanto este ponto, dizer mal é "chover no molhado".

O Festival como tu também sabes tem as suas contingências e condicionalismos. A partir do momento que se perceba isso aprende-se a aceitar as coisas como elas são. Por essa razão de ideias, considero que quem critica é porque não sabe. Abraço

Nuno Neves disse...

Viva Pedro, estou como tu. Pior seria se não viesse ninguém. Vem um e ainda por cima é desenhador. Que seja bem-vindo. Abraço

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...