30 junho, 2017

Colecção Novela Gráfica III: Vol.1 - Ronin


Hoje nas bancas, em distribuição com o jornal Público, encontramos o primeiro volume da nova colecção Novela Gráfica. Começa a ser norma destas colecções começar bem, muito bem. Iniciar com um clássico, Ronin, do mestre FRANK MILLER, que abriu caminho para as obras-primas que se seguiram deste autor, que é porventura um dos melhores títulos desta terceira série de novelas gráficas, e colmatar a falta deste título nunca ter sido anteriormente publicado em Portugal, é o que se pode chamar uma grande entrada para uma excelente colecção. A lista completa dos títulos e data de publicação por ser vista aqui.

A história de Ronin começa no Japão feudal do século XIV quando um jovem samurai que serve um nobre, Ozaki-Sama, é testemunha da morte de seu mestre pelas garras de um demónio, tornando-se assim num ronin - termo usado para samurai sem mestre. No clímax da batalha, Agat, que foi gravemente ferido com a espada banhada com sangue de um inocente – no caso, o próprio Ronin – lança um feitiço aos dois, aprisionando as duas almas na arma, que seria encontrada por cientistas nova-iorquinos no futuro. A história passa para o ano de 2030 numa Nova York apocalíptica. A narrativa conta com muitos duelos de espadas, cenas do Japão feudal e hordas de robôs. Os leitores são lançados diante desta fusão entre passado e futuro, com elementos orientais e futuristas. O Herói principal é um improvável rapaz, sem braços ou pernas, mas dotado de incríveis poderes telecinéticos que vem a tornar-se um fantástico samurai ciborgue.

Ronin é uma história sobre o que faz de nós humanos, sobre o poder que exercem as fantasias no mundo real e a supremacia do amor, é um épico e revolucionário clássico que merece ser lembrado e relembrado sempre.

RONIN
Um samurai desonrado do século 13 renasce numa Nova Iorque futurista e distópica, para tentar a sua última possibilidade de redenção: encontrar, confrontar e matar o demónio Agat, responsável pela morte do seu mestre. Uma viagem através de uma Manhattan escura e violenta, dominada por tecnologias incompreensíveis, em direcção à vingança e a uma batalha final pela alma de uma civilização moribunda.

Ficha técnica:
Ronin, de Frank Miller
Colecção Novela Gráfica (3ª série) - Volume 1
Capa dura, cores, 312 pags.
PVP: € 9,99
Editora LEVOIR



25 comentários:

Cedric disse...

Lol a sério que a lombada diz Ronnie?? Deve ser o filho do Ronin com os comprimidos da azia, o Rennie. Ahahah ainda bem que já tenho o original.

Nuno Neves disse...

É verdade que saiu mesmo RONNIE :( que gralha para uma edição tão boa!!!!

Ricardo disse...

Infelizmente é mesmo Ronnie, era o livro que mais esperava desta edição porque ainda não o tinha. Estou à espera de novidades da LEVOIR de como vão resolver a situaçao.

Ricardo disse...

A LEVOIR vai enviar auto-colantes para todos os que já compraram o livro.
Contactem-nos através do facebook.

Optimus Primal disse...

Eu também só dei pelo erro quando o pus na pilha de leitura.,mas lá esta é uma historia que quero mesmo ler.

Nuno Neves disse...

Autocolantes?? Só pode ser brincadeira! Oficialmente ainda não vi qualquer comunicado da LEVOIR sobre este assunto e enviei-lhes um email logo pela manha. No entanto, para mim a solução que esperava era uma sobrecapa com abas para colocarmos nos livros. O erro é grosseiro e exigia uma solução à altura. Autocolantes dispenso!

Esteves Silva disse...

Nuno como dizes o erro é grosseiro. É lamentável que passadas 24 horas a editora tenho tido a atitude embaraçosa de tentar abafar os comentários que lhe chegam ou até apagá-los da sua página do facebook. É infelizmente habitual a Levoir não endereçar as falhas, foi o que fez com todos os erros contidos nas coleções anteriores. Ignora e espera que o vento passe. Mas também tem sido vergonhoso assistir à atitude um pouco cobarde de algumas pessoas ligadas à edição que têm empurrado a culpa para um dos mais prestigiados ateliers de design nacionais, como é o atelier do Jorge Silva, fazendo-o à boca pequena, em secções de comentários de blogues que o Jorge nunca leu ou em grupos privados do facebook a que o Jorge nunca pertenceu. Talvez fosse interessante confrontá-lo com este incidente, iam ficar surpreendidos com a resposta...

JoseFreitas disse...

Ninguém empurrou a culpa para ninguém. Apenas houve acusações graves feitas (a mim e à minha equipa), às quais tive de responder, sendo que a única coisa que eu referi (e nem devia ter de o fazer, está escrito nos créditos) é a de que as capas NÃO são feitas pela minha equipa, mas sim pelo atelier do Jorge Silva (que aliás é meu amigo pessoal). E também referi que, sendo claro que erro não se originou no nosso grupo, mesmo assim a capa passou por mim e eu não o vi, pelo que alguma da responsabilidade é minha (quase todos os livros têm de passar por mim). E tal como referi na altura, posso adiantar que as capas passaram por muitas outras pessoas (inclusive pela DC) e que ninguém, infelizmente, detectou o erro.

pco69 disse...

Eu prefiro um pequeno autocolante que quase não se veja, a uma sobrecapa.

Incluisive, creio que os custos de uma sobrecapa, irão fazer com que os lucros previstos desta coleção, sejam bem mais reduzidos, podenod isso implicar isso um prossível problema a nível uma 4ªa coleção NG.

Um bocado de bom sendo de todas as partes é algo que não faria mal nenhum.

pco69 disse...

Carapau e sardinha...
Onde se lê:
"podenod', leia-se "podendo"
"prossivel", leia-se "possível"
"sendo", leia-se "senso"

Anónimo disse...

Nuno, podes esclarecer aqui a resposta que a Levoir te deu? Se a chegaste a receber... É que paradoxalmente não se encontra nenhuma comunicação oficial da editora a assumir que há um erro. Se calhar, devo concluir que foi intencional.

Ricardo disse...

Não custava nada admitir o erro, acontece a todos. Só lhes ficava bem.
Agora tentar deixar despercebido fica mal. Mas secalhar andam a apurar responsabilidades e mais tarde dizem algo.
Um coisa é certa, o meu Ronnie ainda por cima veio algo danificado na capa, obviamente da transportadora e nem reparei na altura. Mais tarde, se a levoir lançar uma edição corrigida comprarei novo.

Nuno Neves disse...

Viva! Recebi resposta ao meu contacto com a Levoir, e apresentaram as desculpas pelo lamentável erro. A solução que me apresentaram é aquela que já foi referida e passo a citar:

"A única maneira que temos de solucionar esta questão é enviando-lhe um autocolante para colar por cima. Se desejar que o façamos envie-nos a sua morada e enviaremos pelos CTT."

Da minha parte agradeci, e expliquei que não gostava da solução apresentada, que para mim passava por uma sobrecapa. Assim sendo ficarei com o meu "Ronnie" que colocarei junto do "Ronin" da versão original. Sem problemas.

Não obstante concordo que um comunicado público da editora ficava bem, porque os erros acontecem, porque os clientes merecem ser informados.

pco69 disse...

É um bocado incorrecto termos de contactar individualmente a Levoir para receber o referido autocolante.
Eu dou outra possibilidade que é a de incluirem o autocolanete num dos próximos volumes da coleção NG.
Quem estiver a fazer a coleção na totalidade, irá recebê-lo e depois tomará a decisão de o colar ou não.
Evita portes de correio e pedidos individuais entre pessoa a pessoa e a Levoir.

Anónimo disse...

... E pra quem nao estiver a fazer a coleçao toda?

Nuno Neves disse...

Viva! Da troca de mensagens que tenho feito com a Levoir sugeri um comunicado público a informar sobre o erro e a solução encontrada para o remediar. Na última resposta obtida é esta a posição da Levoir:

"Olá Nuno, a divulgação pública será feita num dos livros da colecção, como normalmente fazem todas as editoras quando existe um erro (errata), ou bem aparece no próprio livro, neste caso não foi possível, ou aparece noutro livro da colecção. Existem procedimentos a seguir e infelizmente nem tudo pode ser imediato como as "redes sociais". Todos os leitores que contactaram connosco receberam uma resposta."

Pelo exposto recomendo a todos que se sintam lesados com o erro que contactem a Levoir (email, facebook, etc).

pco69 disse...

Embora seja um direito teu e para mim essa resposta seja esclarecedora da posição da editora, creio ser um pouco incorrecto da tua parte, divulgares publicamente uma resposta que te foi dirigida por via privada.

nota) não tenho rigorosamente nada a ver com a editora

Optimus Primal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Optimus Primal disse...

Essa de comunicarem via colecção e muito a século passado pré.net,quer dizer para divulgar e promoverem a net ja serve,mas para se desculparem só a quem compra e não a todos,o mais correcto era fazer um 2a tiragem corrigida e mandar as bancas trocar gratuitamente e não "empurrar" autocolantes a la Salvat brasil.

Anónimo disse...

Pois, a estratágia de comunicação visa informar o menor número de pessoas possíveis e complexificar o processo de entrega de autocolantes ao máximo para minimizar o prejuizo. A verdade é que este será um livro com repercussões financeiras graves. Embora provavelmente a Levoir consiga vender alguns em feiras ou por contacto directo, esta é uma edição que não tem condições para ser enviada para livrarias. Já não estamos a falar de omitir erros do interior ou escamotear falhas, é mesmo ostensivamente negociar produtos fraudulentos, algo em que lojas especializadas não quererão entrar, por terem muito mais a perder em possíveis processos judiciais da DC, do que a ganhar.

Nuno Neves disse...

Olá pco69, a resposta que publiquei não tem qualquer informação que não possa ser do conhecimento público, ou que não possa ser dada a um qualquer cliente que os contacte. Publiquei apenas para esclarecer a politica de comunicação da LEVOIR. Não serve de qualquer critica. O importante a reter é que quem desejar o autocolante só tem de contactar a editora.

pco69 disse...

Como referi, é o teu direito.
E como é o meu direito, continuo a achar uma certa piada à quantidade de comentários anónimos que aparentam apenas querer mandar lama para cima da editora, como seja dizer "repercussões financeiras graves" áquilo que eu acho ser uma tempestade de redes sociais e "produto fraudolento" a um erro que passou despercebido a meio mundo dentro da editora e a já com conhecimento de virem a existir "processos judiciais" por parte da DC devido a estar RONNIE numa lombada em vez de RONIN.

Morreram 64 pessoas nun incêndio, foi roubado material de guerra e nem se vê uma demissãozinha que seja, mas RONNIE em vez de RONIN vai entrar em tribunal.... OK

E já agora, tb sei que pco69 também é anónimo.

nota) como já referi noutro blog, o dono deste blog está à vontade para retirar ou não apresentar qualquer dos meus comentários, pela simples razão do blog ser seu e na sua casa manda o seu dono.

Anónimo disse...

Caro pco69, convido-o a visitar a FNAC e a tentar encontrar 1 (um) exemplar que tenha o titulo errado na lombada, depois saia e tente na Bertrand. Lamento, mas não vai encontrar nenhum, tal como não há memória de um erro desta envergadura alguma vez ter acontecido na história da edição livreira. Isto não lhe soa estranho, enquanto se defende que é apenas um erro ligeiro? É livre de acreditar no que quiser mas não acha que se fosse aceitável e banal não teria já acontecido uma vez que seja na história de Portugal? Aliás fica a saber que a editora mudou de política após tomar conhecimento deste facto na reunião de hoje precisamente para permitir que o livro seja introduzido no mercado livreiro. Isto e a pressão do público, que viu a sua página web achincalhada e o seu nome, isso sim atirado para lama, e exigiu uma resposta mais vigorosa. Ou então escolha acreditar que as pessoas mudam de opinião porque sim e que ronnie ou ronin é igual para os compradores.

pco69 disse...

Do pouco que conheço das várias coleções que têm sido feitas com os jornais, nomeadamente o Público, tenho visto essas obras irem para essas livrarias referidas BEM depois de terem sido vendidas nas bancas de jornais. Pelo que tenho quase a certeza absoluta que NÃO IRIA ver nenhum RONNIE nessas livrarias até esse tal periodo.

E na minha opinião, quem deixar de comprar um livro de 312 páginas a 9.99, de uma obra referida como fundamental da BD por causa de um erro na lombada do referido livro... só pode ser um tremendo... elitista (estaria talvez à espera de outra palavra, não?)

nota adicional - fecho aqui os meus comentários sobre este tema (lombada), referindo que já li i livro. Não gostei muito do livro, muito por causa do desenho "sujo" usado pelo autor, mas fiquei agradavelmente surpreendido com o final.
No computo geral, fiquei satisfeito.

Optimus Primal disse...

Por acaso a uns anos nos 1s volumes de Dragon Ball da Asa foram para livrarias desalinhados e o erro também detectado in loco e só foi corrigido com a tal 2a tiragem depois mas o custo foi a fase z nao sair.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...