01 julho, 2008

Wanted

Num dos lançamentos mais oportunos deste ano, a editora BdMania lançou agora para as bancas a edição portuguesa da “graphic novel” Wanted de Mark Millar (argumento) e JG Jones (desenho), apanhando, e muito bem, a boleia da estreia da adaptação cinematográfica entre nós já no próximo dia 10 de Julho.

Wanted é talvez das histórias mais alternativas e subversivas que já li, ou não decorresse a acção num mundo desequilibrado, de super-vilões sem super-herois. Como consequência, uma fraternidade de vilões pratica todo o tipo de crimes com uma total impunidade. E é neste cenário que vamos conhecer e acompanhar a vertiginosa “transformação” de um pacato vegetariano chamado Wesley Gibson, cuja existência é marcada pelas traições da namorada com o seu melhor amigo, pelas perseguições dos gangues do seu bairro e pelas humilhações da sua chefe afro-americana.

Mark Millar criou aqui um universo excessivo, com uma história critica, que não obstante a violência explicita, não só em termos de linguagem (onde a tradução portuguesa também não se poupou) mas também visualmente - sendo este último capitulo da exclusiva responsabilidade do excelente desenho de JG Jones - tem algum humor e o seu ritmo narrativo conduz a uma leitura bastante fluida. Apesar de não ter ficado seduzido com o final da história, talvez tivesse preferido que tivesse seguido outro rumo com diferentes desenvolvimentos, acho que o seu desfecho serve os fins a que se destina. No global uma história muito boa. Confio agora que a adaptação cinematográfica tenha talvez outra liberdade, apostando numa narrativa com continuidade.

Esta edição portuguesa, em softcover, vem bem recheada, pois para além da série completa (publicada originalmente em seis comics), inclui também um dossier das personagens principais ilustradas por grandes autores da bd americana, uma galeria das capas dos comics publicados, incluindo edições alternativas, e ainda os esboços e estudos iniciais da concepção de personagens e cenas suprimidas. Tudo isto por um preço a rondar os € 15 numa banda de jornais perto de si.

A minha nota:

Edição: BdMania, 1º edição de Dezembro de 2007

8 comentários:

Gustavo Carreira (requiem) disse...

Concordo totalmente. O final também não me deslumbrou, até porque o prefácio do Vaughan tinha colocado a fasquia alta, e até o achei demasiado pretencioso.

Cumps.

Bongop disse...

E tens razão! Muito bom, mas não aconselhavel para pré-adolescentes... acho que deveria haver um pequeno aviso, não vá um pai incauto comprar o "livro de bonecos" para oferecer ao filho de 9 anos!

kitt disse...

Bongo,não é preciso tanto drama,para nada basta os pais agirem como pais e esplicarem essa cena,e duvido que esse seja o artigo mais procurado pelo pais para filhos dessa idade tem a turma da monica,witchs,disneypaninis,entre 1 e 3 euros,etc,e o preco não é convidativo.
E o Ghost Rider tambem precisava e tambem o Dawn Nation,e inumeros fb,ETC,ETC
Eu so vou comprar quando estiver nas livrarias especializadas tipo a CC ou Fnacs,nada de Bertrands ou Bancas.

Gustavo Carreira (requiem) disse...

Qual é a diferença entre Fnac e Bertrand, em termos de especialização?
Aliás, fui há pouco tempo à Fnac do Colombo, onde não ía há mais de 2 anos, e fiquei chocado com o tamanho mínimo para que reduziram a secção de BD... na de Coimbra aconteceu a mesma coisa.
E na Bertrand, ao menos, oferecem-me uns vales de 20€ de tempos em tempos.

kitt disse...

Na(s) Bertramd(S),nas que eu conheço não percebem nada de nada,e nºao tenho o 10% de desconto imediato,mas bom,bom,era irem para a maior loja de bd aqui na zona o Mundo Fantasma,mas como não pode ser contento-me com as Fnacs ou a CC.
Aqui na Fnac Sta Catarina Houve uma pequena expansão,e diversas novidades em fb e comics.

verbal disse...

Penso que a distribuição é um dos maiores problemas que afecta a BD em Portugal. Concordo em absoluto com as criticas feitas tanto à FNAC como à Bertrand. Pela sua "responsabilidade", uma vez que juntas representam mais de metade do mercado de distribuição e no entanto o espaço que disponibilizam nas suas prateleiras para BD é mínimo. Na zona de Lisboa, destaco como piores exemplos as FNAC's do Colombo e de Almada. As lojas da Bertrand tambem seguem o mesmo modelo de espaço mínimo e quanto a especialização zero!

kitt disse...

Mas nas Fnacs ainda percebem alguma coisa ja nas Bertrands,nem o minimo sabem esprimentem procurar essa bd na
loja on line da Bertrand.Ou a editora.
Ainda me lembro quando telofonei a Bertand do Dolce Vita,Por causa de uma suposta chegada das bds brasucas da Panini,e tive o dialogo mais absurdo da minha vida vida e era um deixa-me sacudir este problema para outro tipo que eu nºao pesco nada,e com o ultimo XIII da Meriberica,foi igual nem sabiam dizer que era o ultimo.

"Penso que a distribuição é um dos maiores problemas que afecta a BD em Portugal."

Concordo totalmente.
E essa sectorização da editora não ajuda em nada (ate porque não temos o tamanho do Brasil),elas deviam chegar ao mesmo tempo a todos os lugares como a Devir fazia no inicio,senão ate mesmo o fa perde a vontade de comprar,e eu passei por isso a pouco tempo com eles. :(

celtic-warrior disse...

Sim, o Vaughan colocou a "fasquia" demasiado em cima, mas confesso que mesmo assim fiquei surpreso com o final e sim, faz lembrar Watchmen de alguma forma.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...