14 novembro, 2008

Crónicas do 19º FIBDA (3 de 3)

Após alguns afazeres que me impediram de actualizar o blogue nos últimos dias, retomo agora a escrita para fechar as contas com o 19º FIBDA. Faço-o em jeito de crónica sobre a festa de celebração de BD, que entre momentos bons e outros nem por isso, esteve globalmente, muito bem. O festival foi feliz na escolha do tema, e talvez por causa disso muito se deve o sucesso da edição deste ano, traduzido na boa afluência de público (pareceu-me?), nas magníficas exposições e na presença de excelentes autores de BD!


Aproveitei os dois dias do terceiro e último fim-de-semana para percorrer as várias exposições patentes no piso 0. Logo para começar, gostei bastante do corredor onde figuravam as bd’s concorrentes e vencedores do concurso de BD. O espaço estava bem conseguido e muito talento estava exposto naquelas paredes. Mas o melhor estava guardado para a ala reservada ao tema central, quantitativamente e qualitativamente falando. Os originais expostos qualifico-os como um “delírio visual”! Desde do traço preciso de Alex Raymond nas pranchas de “Flash Gordon”, ao traço pormenorizado de Jangetov, passando pelo mundo fantástico de Esteban Maroto e terminando no “Valerian” de Mézieries! Ainda que não consiga distinguir qual o critério ou o enquadramento seguido na mostra, o resultado visual que emanava dos desenhos expostos era suficiente para nos “transportar” para outros universos! Cinco estrelas! Os autores portugueses também não foram esquecidos e os vencedores dos prémios FIBDA do ano passado, Rui Lacas (vencedor do prémio “Melhor álbum português em língua estrangeira”) e Luís Henriques (vencedor dos prémios “Melhor álbum português e Melhor desenho”) tinham os seus trabalhos expostos em espaços bem “trabalhados”.

Mas nem as exposições resultaram! A começar pela desilusão da mostra “Star Wars: Uma Galáxia de Aventuras”. Integrada no tema do festival, ficou localizada num espaço meio escondido no piso -1 e deixou muito a desejar. Não me vou alongar + neste assunto, até porque já falei sobre isto na crónica anterior, onde inclusive troquei impressões com alguns membros do SWCP. Outra desilusão foi a exposição “60 anos de Tex”. Completamente deslocada no festival e não obstante exibir pranchas originais, em termos de conteúdo ficou bastante aquém daquilo que se podia exigir como comemorativa de seis décadas de existência de um personagem de BD. Quero acreditar que haveria mais e melhor para mostrar, a começar pela própria evolução do Tex Willer ao longo dos tempos, uma mostra da galeria das principais personagens do seu universo, uma referência ás principais histórias publicadas, etc, etc bem, tudo menos uma dúzia de “prints”. Mais simbólica que substantiva, portanto!

O fim-de-semana foi também preenchido com as sessões de autógrafos. Fabio Civitelli (Italia) e Marco Bianchini (Italia), Das Pastoras (Espanha) e Jean-Claude Denis (França) foram os artistas “de serviço”. Escusado será dizer, que o tempo nas diversas filas foi pior do que circular em Lisboa em plena hora de ponta num dia de chuva!!! Felizmente que o excelente convívio com outros bedéfilos que só as filas nas sessões de autógrafos do FIBDA proporciona, amenizou as longas horas de espera!

Apesar do mal-entendido (já esclarecido pelo autor do blogue texwiller.blog.com) na sessão de autógrafos protagonizado por Fabio Civitelli no Sábado, no Domingo só não obteve um “boneco“ quem não quis, confesso que fiquei impressionado com a arte e talento dos italianos. O portfólio disponível para consulta não deixava margens para dúvidas: Tex Willer encontra-se definitivamente em “boas mãos”! Talvez a fotografia (em baixo) não capte toda a beleza do desenho, mas não posso deixar de mencionar que o "Blueberry de Civitelli" é qualquer coisa de extraordinário! Relativamente ao Das Pastoras confirmei a minha impressão de “dono de um traço difícil de assimilar”. Um dia destes publicarei aqui uma foto do seu (meu) Wolverine!

A zona comercial, que poucas alterações sofreu relativamente ao ano passado, esteva agradável, e ainda aproveitei umas promoções para enriquecer a minha bedeteca particular. Só lamento a falta a da Vitamina BD e a ausência de lançamentos de BD franco-belga (aqui leia-se nota negativa para a ASA!).

Muito ainda havia para contar, mas foram estas as impressões que ficaram na memória deste visitante, que saiu muito satisfeito do festival e que pode afirmar que a 19ª edição foi talvez uma das melhores que visitou nos últimos anos. Que venha então o “Vigésimo”!

Para concluir, deixo as minhas "notas" sobre o 19º FIBDA:

Notas positivas:
+ Concepção/decoração do espaço
+ Tema do festival
+ Pranchas originais de “Flash Gordon”
+ Exposição "BD e ficção cientifica"
+ Elevada qualidade artística da maioria dos autores estrangeiros presentes

Notas negativas:
- Exposição “Star Wars: Uma Galáxia de Aventuras
- Exposição “60 anos de TEX
- O não cumprimento dos horários nas sessões de autógrafos
- Falta de novidades editoriais de relevo no maior festival de BD em Portugal
- Autora chinesa presente no festival

Legenda das fotografias publicadas (de cima para baixo, da esquerda para a direita):
  1. pormenor de uma prancha de Alex Raymond
  2. exposição do concorrentes/vencedores do concurso de BD
  3. "Valerian" de Mézieres
  4. "monstro"(cenografia no piso 0)
  5. balcão das sessões de autógrafos (piso -1)
  6. "Blueberry" de Fábio Civitelli

3 comentários:

José Carlos Pereira Francisco disse...

Belo relato!!!!
Mas antes de mais nada, mais uma vez peço desculpas pelo mal entendido com relação aos desenhos do Civitelli, apesar da questão estar já ultrapassada, reconheço que o erro foi integralmente meu e de modo algum o autor pode ficar associado a algo que de modo algum teve culpa.
Adiante... mas já que falo em Civitelli, também concordo que o Blueberry dele é MAGNÌFICO... já agora como ele nasceu... um belo dia o Civitelli foi surpreendido pelo carteiro que lhe entregou um desenho (acompanhado de uma carta com palavras muito elogiosas para com a arte de Civitelli)de Tex feito por ninguém menos do que Jean Giraud "Moebius" (pode ser visto em http://amadeo.blog.com/repository/536460/3076538.jpg)... Civitelli ficou tão feliz e admirado (nunca tinha tido o menor contacto com o desenhador francês) que se sentiu na obrigação de retribuir com um Blueberry e se assim pensou, o resultado foi o que podemos ver aqui no blogue nessa bela foto...
Passando agora à exposição "60 anos de Tex", sou o primeiro a lamentar que não tenha sido aquilo que eu planejava e que o Machado-Dias já falou no Kuentro (http://kuentro.weblog.com.pt/arquivo/266407.html) porque a minha ideia inicial era fazer mesmo uma das maiores e mais completas exposições dedicadas ao Tex, a nível mundial, inclusive igualar ou mesmo superar as grandes exposições italianas associadas aos 60 anos do Ranger, mas quando a Amadora decidiu-se definitivamente por tal, já era tarde para se conseguir o material, que como devem calcular demoraria vários meses e assim sendo tivemos que nos contentar com a exposição que tivemos, cuja mais valia foi o facto de termos pela primeira vez fora da Itália, originais do Tex e a presença de dois grandes desenhadores, mas reconheço que quem não fosse Texiano e visitasse a sala Tex ficaria sem saber nada de Tex, mas creio que a esta hora a organização do Festival deve estar um pouco arrependida de não ter apostado bem mais forte no Tex... embora pela minha parte tenha que agradecer a toda a equipa do Festival por ter permitido que houvesse a exposição dedicada aos 60 anos de Tex e como Tex parece estar na moda em Portugal, quem sabe se em 2009 não teremos mais um evento com a participação do Tex?
Abraços a todos e mais uma vez desculpas por algo que tivesse corrido mal na Amadora relacionado com Tex e/ou autores.

verbal disse...

Caro Francisco

Como grande fã do Blueberry, acho muito curiosa a história do "Blueberry de Civitelli". Quer-me parecer que o Giraud quis "testar" o Civitelli e que este passou com distinção. Ainda hei-de ver uma aventura do Blueberry desenhada pelo Civitelli!!!

Quanto á exposição, de facto foi pena essa indecisão toda do FIBDA, até porque gostava bastante de ter visto mais do Tex, mas foi muito boa a presença dos autores!

Abraço

José Carlos Pereira Francisco disse...

Verbal, se houver alguma história de Blueberry desenhada pelo Civitelli, claro que será adquirida por mim (até porque também gosto do Tenente) mas creio que será muito difícil de concretizar-se essa previsão, por todo o empenho que o Civitelli põe no "seu" Tex e que não lhe dá tempo para mais nada...
Já agora recomendo uma visita ao blogue do Tex ( http://texwiller.blog.com/3964386/ ) para veres uma vídeo-entrevista com Civitelli que finaliza precisamente com o Tex de Jean Giraud "Moebius" que está em destaque no estúdio do Civitelli...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...