06 novembro, 2009

As "notas" esmiúçam o Amadora BD – parte II

2º Fim-de-semana de festival. Visitei demoradamente a exposição central exposta no piso 0. Dentro desta, destaco as mostras dedicadas à “Colecção CNBDI”, ao “Almanaque FIBDA” e aos “XX anos de Concursos”. Todas muito bem organizadas e podemos encontrar em exibição algumas "pérolas" da BD portuguesa, como por exemplo magníficas pranchas originais de consagrados autores portugueses, tais como Augusto Trigo, Eduardo Teixeira Coelho ou Artur Correia entre outros.

Depois é um facto, a história do FIBDA/Amadora BD mostra-nos que ao longo destes últimos vinte anos fomos visitados por grandes nomes da BD internacional, e refiro aqui apenas alguns autores como Morris (pai do Lucky Luke), Jacques Martin (Alix), Will Eisner (Spirit), Jean Giraud (Blueberry), Art Spiegelman (Maus), Mézières (Valerian), Jean Graton (Michel Vaillant), Schuiten e Peeters (Cidades Obscuras), Manara, Bilal, Loisel, Hermann, Rosinski, Seth Fisher, Miguelanxo Prado, Frezzato, Civiello, Dave Mckean, entre muitos outros. Quem foi visitante assíduo do festival nos últimos vinte anos não tem certamente razões de queixa. A marca da passagem de alguns destes autores é uma incrível colecção de desenhos que ocupa uma enorme parede numa das exposições.



Bastante curiosa é também a mostra dos “XX anos de Concursos”. Um olhar mais atento e identificamos que entre os autores que figuram como vencedores dos concursos do FIBDA, surgem nomes importantes da BD portuguesa actual como JC Fernandes, Rui Lacas ou João Fazenda. O Domingo de manha foi passado na festa da caricatura. É um dos eventos mais engraçados do festival, porque permite ao visitante obter o seu "retrato" feito por vários artistas e não custa absolutamente nada! Por ser objecto de tão pouca divulgação é talvez um dos "tesourinhos" escondido do festival!

Continuando numa de autores e o segundo fim-de-semana foi dominado por nomes como Maurício de Sousa, François Boucq e Achdé. Primeira evidência: o Maurício é um campeão de popularidade. Basta olhar para as longas filas que este autor já acostumou os visitantes do Amadora BD e que se repetiram (outra vez) neste fim-de-semana. Como já tenho sketches da Mónica, do Cebolinha, do Pelezinho, do Ronaldinho e até do António Alfacinha, pude dedicar a minha atenção para os restantes autores. Que ricas horas que poupei! Boucq domina as atenções para os amantes da BD franco-belga e o Achdé tem uma interessante relação com Portugal. Sempre que é lançado um novo álbum do Lucky Luke, este autor visita-nos. Foi assim com "Lucky Luke no Quebeque" em 2004, com o "O Nó ou a Forca" em 2007 e agora com o "Homem de Washington" em 2009.


Descubro Yosh, uma muito simpática e talentosa autora sueca de manga que em conversa revelou gostar de Lisboa e a adorar o “defeito” dos portugueses em não cumprir horários. Fez uns excelentes retratos em versão "manga" dos visitantes que lhe solicitaram!
Entre os portugueses, neste Amadora BD, destaco aqui três nomes, da nova geração, porque os mais antigos já são sobejamente conhecidos. Claro está que se trata de uma escolha movida por um gosto pessoal, mas é certo que muito talento não falta a Gisela Martins, Jorge Miguel e Osvaldo Medina. São excelentes desenhadores portugueses..
Autores. São sem dúvida o que faz pulsar o festival. E apesar de todos os defeitos e vícios que possamos imputar ao festival, a verdade é que o Amadora BD é um festival de grandes autores e este ano apresenta (mais uma vez) um cartaz bastante generoso com autores originários das mais variadas latitudes, dos mais variados géneros e estilos.
Ainda falta o terceiro e último fim-de-semana do festival e estão confirmados grandes nomes nas sessões de autógrafos!


François Boucq
















Yosh

















Achdé e Jorge Miguel















Gisela Martins
















Osvaldo Medina

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...