07 agosto, 2019

Introduzindo a 6ª edição da Comic-Con Portugal


Praticamente a quase um mês da abertura de portas de mais uma COMIC-CON PORTUGAL abro aqui no blogue o espaço dedicado à edição de 2019. À semelhança do ano passado, realizar-se mais uma vez no espaço do Passeio Marítimo de Algés, às portas de Lisboa. Este ano o conceito do festival será mercado pela "Homenagem a Stan Lee", falecido em Novembro do ano passado e um dos maiores nomes da Banda Desenhada.

A 6º edição da Comic-Con Portugal irá assumir na sua identidade visual o universo de super-heróis e das cidades criadas por Stan Lee, uma personalidade icónica que nos deixou no passado mês de novembro, a começar pela entrada no recinto do evento, onde os visitantes serão recebidos por um pórtico a recriar a cidade de Nova York, com representações de edifícios criados por Stan Lee em diferentes filmes de super-heróis, como a famosa Torre Stark, da personagem Homem-de-Ferro. O espaço irá apresentar uma nova disposição, encontrando-se dividido por 3 grandes áreas, com conteúdos de 10 temas.

Em termos de convidados na área da BD/Ilustração já há alguns nomes anunciados, destacando-se Mike Deodato e Ed Brubaker. Enquanto primeiro, que repete a presença depois de já ter sido convidado do Amadora BD, é dono de um dos melhores e mais expressivos traços no desenho; o segundo é praticamente uma presença regular nas bancas e livrarias de Portugal, porque a sua obra está em grande parte editada apor cá. Ainda recentemente saiu o primeiro volume de Criminal e para o festival está previsto o lançamento de «Os Meus Heróis Sempre Foram Junkies».


Mais nomes temos Fabio Civitelli, que penso que fará na Comic-Con o pleno, ou seja, esteve (ou estará) presente em todos os grandes eventos de BD realizados em Portugal. Dono de um traço irrepreensível, Civitelli é sinónimo de Tex.

Nomes portugueses, temos Luís Louro, que já tem quase pronto o seu novo álbum, Sentinel, e seria engraçado termos o seu lançamento neste festival. Outro excelente autor confirmado é Manuel Morgado. Outro virtuoso do desenho. Nas minhas palavras para a Splaft! de FIBDB de 2015, identifiquei "uma característica de exuberância e elegância, reflectida num desenho realista, rico em detalhes, apresentando figuras em poses e atitudes dinâmicas, o que confere um cunho próprio ao desenho, que funciona quase como uma assinatura deste autor."

E por falar em Beja, e na área da Ilustração, teremos a Susa Monteiro, a artista por detrás das magnificas ilustrações do cartazes do Festival de BD de Beja.


Agora, convenhamos que ainda são poucos os nomes de BD anunciados. Gostaria muito que a oferta fosse complementada com mais uns dois autores da BD franco-belga, para além de mais um ou outro nome grande da industria dos comics. Ainda falta um mês.

5 comentários:

Anónimo disse...

Escaparam-te Ivan Reis, Joe Prado e Greg Tocchini

Antonio disse...

Muito pouco e muito orientado para super heróis. Faltam autores europeus, japoneses (asiáticos...) da América do Sul (brasileiros, argentinos, etc....). Muita Con, pouco Comic...

João V.Birra disse...

Não me importava de divulgar o meu livro de bd neste festival.

Marcos disse...

@Antonio. A comic con sempre foi assim. No norte era maior o espaço para video-jogos, filmes/séries e merchandising do que banda desenhada. Para mim é essa diferença entre a comic con nacional e festivais de BD. So sad...

Antonio disse...

@Marcos. Siim é verdade. O modelo da ComicCon exportado para todo o mundo é, infelizmente, demasiado eclético para quem gosta, maioritariamente, de BD. Mesmo assim existem ComicCons e ComicCons, e com isto quero dizer que em eventos como o de São Paulo e Nova Iorque, por exemplo, o peso da 9ª Arte é bastante maior (entre os 40 e 50% da área total do evento). Nunca fui a esta ComicCon e, a continuar assim, não me apanham lá, e é pena porque até moro perto. Dommage...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...