10 agosto, 2009

As minhas BD preferidas #8: Buddy Longway

Depois de alguns(!) meses (bem, na verdade passaram-se dois anos…) após a publicação do último texto relacionado, retomo agora uma das rubricas deste blogue, de BD’s preferidas, para escrever aqui sobre um western diferente daqueles que tradicionalmente estamos habituados a ler, onde invariavelmente a figura do cowboy se sobrepõe a todas as outras.

Falo de um western que nos dá uma visão da riqueza dos primeiros anos da conquista do Oeste americano. Dentro deste contexto os espaços abertos e livres são indissociáveis desses anos, pelo que o autor (neste caso, em simultâneo, argumentista e desenhador) Derib promove a apresentação de cenários onde a natureza em estado bruto e selvagem, seja a floresta, a montanha ou a planície, são a constante geradora da riqueza estética da história. Trata-se também de uma história de relações e sentimentos humanos entre culturas diferentes, donde sobressai a assumida admiração do autor pela tribo índia “sioux”. Na narrativa é visível a defesa do modo de vida índio, através da promoção da sua cultura e tradição, ainda que curiosamente as aventuras tenham como personagem principal um não-indio.

É assim que surge Buddy Longway - que dá o nome à série - a figura central de uma saga familiar por onde passam todas as linhas de força da narrativa. Longway é um caçador de peles e um explorador, que por opção vive de forma pacífica em harmonia com a natureza, numa área situada no estado do Missouri. Um dia salva uma jovem índia, Chinook de seu nome, da tribo “sioux”, com quem mais tarde vem a casar e constituir família. E é aqui que Derib rompe com convenções. É no dia-a-dia, no envelhecimento e no desfecho trágico desta relação familiar, que somos convidados pelo autor para ser leitores atentos desta série composta por um total de vinte álbuns.
Derib escreve argumentos simples e fluidos, utilizando referências típicas do Oeste americano para criar as suas aventuras. O desenho é vigoroso e bastante agradável, compondo por vezes planos bastante originais. Tudo isto contribui para um western bem estruturado, de leitura fácil, composto por personagens bastante humanas, sólidas e realistas quer seja pela opção do autor no envelhecimento destas, quer seja pelo destino final que o autor lhes reservou.

“Buddy Longway” em Portugal
As aventuras de Buddy Longway surgiram em Portugal através da revista Tintin, tendo a primeira aventura (“O Inimigo”) sido publicada entre Abril (#876) e Junho de 1976 (#904). Ao todo, foram publicadas através desta revista um total de nove aventuras da série. Encontram-se também registos de aventuras nas revistas Selecções Tintin e Mundo de Aventuras.

Em formato álbum, e até à data, encontram-se publicados nove aventuras, distribuídos por três editoras – Livraria Bertrand, Editorial Futura e Asa/Público (álbum duplo). Deixo então aqui a lista dos álbuns publicados em Portugal, respeitando a cronologia original:

1. Chinook, Livraria Bertrand, 1978
2. O Inimigo, Livraria Bertrand, 1978
3. Três Homens passaram, Livraria Bertrand, 1979
4. Sozinho, Livraria Bertrand, 1980
5. O Segredo, Livraria Bertrand, 1981
6. O Alce, Editorial Futura 1, 1988
7. O Inverno dos Cavalos, Editorial Futura 2, 1989
13. O Vento Selvagem, Asa/Público 11, 2009
14. O Manto Negro, Asa/Público 11, 2009

Sites relacionados:
- Buddy Longway [link]

4 comentários:

Bongop disse...

Essa foi a minha maior pena... a edição ASA/Público. Eu sei que as séries deste genero já estão pré-determinadas por co-edições, mas seria excelente esse álbum duplo ter seguido a série já editada. Ficamos com dois álbuns que pouco dizem sobre a série , pois faltam cinco livros pelo meio... e numa série de continuação é muita "fruta".

Abraço

verbal disse...

Viva Bongop, num mundo perfeito, a ASA aproveitava, supria a falta, lançava os demais álbuns e concluía a série. Mas quer-me parecer que a ASA já abandonou a edição própria, apostando agora em co-edições, o que nos deixa ao sabor do que se vai fazendo lá por fora. Calha é por vezes que reedições lá fora sejam inéditos em Portugal.

Agora a sério, tenho sempre grandes dúvidas da adesão de (novos) leitores a estas colecções. Porque comprar "solitários" digamos que não me parece ser nada racional, o que me leva a concluir que só existem dois tipos de compradores de BD: os que compram por paixão e os que compram por engano.

Encontramos-nos nós na primeira categoria, aproveitemos enquanto se vai editando, ainda que fiquemos com as colecções cada vez mais retalhadas!

mmmnnnrrrg disse...

sem ligação à 'net para divulgar isto:
http://chilicomcarne.blogspot.com/2009/08/shock-de-calor-na-chili.html
pedimos desculpa por este abuso publicitário!
CCC

refemdabd disse...

É verdade, vivemos de migalhas e agradecemos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...